Praias do Litoral Leste lotam no fim de semana; municípios têm alta taxa de transmissão de Covid-19

Aglomerações de banhistas foram registradas em localidades como Aquiraz, Beberibe e Cascavel – que somam 2.365 casos e 129 mortes por Covid-19

Já são quase 120 dias desde que o distanciamento físico virou decreto governamental no Ceará, para evitar a disseminação de um vírus extremamente transmissível e letal. A taxa ideal de 70% de isolamento, porém, nunca foi atingida – e aglomerações como as registradas ontem (12) na Prainha, em Aquiraz; em Morro Branco, Beberibe; e em Águas Belas, Cascavel; são dia a dia mais comuns. A quantidade de banhistas que lotaram as três praias não é contável, mas estes são alguns números oficiais sobre os municípios onde se localizam: 2.365 casos confirmados, 129 mortes e 1.067 infecções por Covid-19 em investigação.

Outros dígitos também são dignos de nota: atualmente, a taxa de transmissão (RT) do novo coronavírus em Aquiraz é de 1,17; seguida por Beberibe, com 1,16; e Cascavel, com 1,14. As três são consideradas altas, e mostram que um infectado pela Covid-19 pode transmitir a doença para mais de uma pessoa, aumentando a velocidade de disseminação.

registro
Legenda: Aglomerações são vistas na PrainhaFoto: Kid Júnior

Os dados são do Integra SUS, plataforma da Secretaria Estadual da Saúde (Sesa). Até as 17h56 de ontem, a Secretaria contabilizava 136.790 casos confirmados e 6.869 mortes pelo novo coronavírus no Ceará. Mais de 70 mil seguem em investigação, e 110.224 pacientes estão recuperados da virose.

Em Fortaleza, são 38.127 confirmações, 3.498 óbitos e 28.772 recuperações. Mais de 33 mil possíveis casos são investigados na Capital, conforme a Sesa. Na Região Metropolitana, o município de Aquiraz, onde fica uma das praias mais frequentadas do Estado, já soma 773 casos confirmados de Covid-19 – dos quais 25 evoluíram para óbito e 628, para recuperação. Outros 742 quadros suspeitos são investigados. A soma dos números poderia estimar a quantidade de banhistas, nativos ou oriundos da Capital, que circularam pela Prainha, nesse segundo domingo de julho.

Um deles, o eletrotécnico Epaminondas Rocha, estava acompanhado da família, mantendo distanciamento de outros frequentadores. “Passamos muito tempo em casa, fechados, e hoje resolvemos dar uma volta, mas prevenidos. Muita gente tá aí sem máscara. Ficamos mais afastados também, até pra apreciar melhor a vista. As barracas estão fechadas, nem dá pra ficar muito tempo, almoçar, comprar um refrigerante”, observou Rocha.

O “estresse” do isolamento social também motivou o passeio do balconista Malvinher Pereira e de familiares às areias. “Nesses três meses, a gente estava doente mesmo é por não vir à praia, hoje lavou a alma. Ainda não é permitido, mas a gente forçou a barra e estamos aqui, mesmo improvisado. A gente passa álcool em gel nas mãos, faz uma limpeza legal, tira a máscara, dá um mergulho e depois bota de novo”, descreve.

Durante o período em que esteve no local, a reportagem não flagrou nenhum tipo de fiscalização. Entretanto, conforme a Prefeitura de Aquiraz, ela é feita “todos os dias, e, no fim de semana, é intensificada nas praias”. As patrulhas são realizadas pela Guarda Municipal, Departamento de Trânsito (Demutran) e Secretaria do Meio Ambiente. Ainda segundo a gestão, “houve registro de infração em algumas barracas de praia, e os proprietários foram notificados”.

Diário do Nordeste

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *